quarta-feira, 20 de abril de 2011

MORTAL BELEZA...


"Um poema como um gole dágua bebido no escuro.



Como um pobre animal palpitando ferido.


Como pequenina moeda de prata perdida para sempre


                                                             [na floresta noturna.


Um poema sem outra angústia que a sua misteriosa


                                                      [condição de poema.


Triste.


Solitário.


Único.


Ferido de mortal beleza."

"O poema", Mário Quintana.



Outras palavras...

Depois desse poema e dessa imagem, sem mais palavras!

Bom feriado a todos!

Jr Vilanova.

1 Comentário:

Guilherme Ramos disse...

Boa Páscoa!

Xero!

Gui!

Postar um comentário

Algumas dicas para comentaristas:

1. Use sempre o login da sua conta/ e-mail do Google ou Yahoo. Para os que não as tem, opinhem usando "Nome / URL"! É só digitar seu nome, assim todos saberão quem escreveu (inclusive eu!)

2.Se você possui um blog seu comentário será uma ferramenta de divulgação, pois representa o seu cartão de visita para os que não lhe conhecem. Pense nisso.

3.O espaço aqui é bem democrático, fique a vontade pra falar o que pensa e obrigado pela visita!

 

Copyright © - Contatos Imediatos - Todos os direitos reservados.
Template Minima de Douglas Bowman - Design por Linketal.com